FORMAÇÃO AUDIOVISUAL 1

Quilombo em Foco

Proponente: Jaquelliny Lopes Barra

Contato: jaquellinybarra@gmail.com

Acesse o INSTAGRAM do projeto AQUI

 

Realização de oficinas de audiovisual voltadas à comunidade quilombola de “São Pedro”, na cidade de Castanhal. Como resultado das atividades serão produzidos curtas metragens pela própria comunidade narrando as vivências dos moradores através de sua própria realidade.   

A iniciativa conta com oficinas de ética, cidadania e direitos humanos, de fotografia, captação de som, produção, roteiro de documentário, direção e edição de vídeo digital. Uma mostra virtual para exibição de curtas produzidos pela comunidade será realizada ao final das oficinas.

 

Acesse matéria especial clicando AQUI

Quilombo em Foco.jpg

Curta sua História

Proponente: Carlos Alessander Costa Alves

Contato: carlosc.di@gmail.com

Links:

 

Oficinas de audiovisual gratuitas com temas voltados ao reconhecimento de equipamentos cinematográficos, construção de roteiro, enquadramento, iluminação e áudio, com o objetivo de estimular registro histórico do território paraense, e os diversos atores sociais.   

O projeto será desenvolvido na Região de Integração Carajás, que possui vários municípios em formação com menos de 50 anos de criação/emancipação. As histórias ainda podem ser contadas pelos pioneiros.

FORMAÇÃO AUDIOVISUAL 2

INDAIA-logo_ciranda01.jpg

Ciranda do Cinema

Proponente:  Indaiá Freire

Contato:  indaiafreire@gmail.com

Links:

 

Tratar de forma lúdica o tema do meio ambiente e a responsabilidade pelos resíduos sólidos (lixo) que são despejados na natureza. A iniciativa será desenvolvida com alunos da Escola Municipal Dr. Lauro Chaves, na Baía do Sol, ilha do Mosqueiro, contribuindo assim para fortalecer o pertencimento como forma de valorizar e preservar o meio ambiente e as tradições culturais.

Olha Já - II Seminário de Audiovisual

Proponente: Raphael Lukas Ferreira Ribeiro  

Contato: raphaelribeiro.jor@gmail.com

Links:

 

Realizar a 2ª edição do Seminário de Audiovisual Online “Olha Já”, de maneira a contribuir na capacitação de profissionais do cinema e do audiovisual da região Amazônica, promovendo debates, oficinas e palestras sobre fotografia e produção de vídeos sobre o desenvolvimento do setor audiovisual no Oeste do Pará.

FORMAÇÃO AUDIOVISUAL 3

Vídeo-Cartas Resex Tapajós Arapiuns

Proponente:  Carolina Caffe

Contato: carolina.caffe@gmail.com

Acesse o INSTAGRAM da proponente AQUI

 

Ação de arte-educação nas aldeias indígenas e comunidades tradicionais da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, a fim de criar um espaço onde jovens possam vivenciar processos formativos e criativos sobre as técnicas do audiovisual, produzindo reflexões sobre os temas propostos, possibilidades estéticas, estratégias de abordagem, alcances e desafios de mídias comunitárias.

Outro objetivo é o intercâmbio de resultados entre as comunidades visitadas (vídeo-cartas) fortalecendo e estimulando o reconhecimento e a troca entre os grupos.

Oficinas irão abordar temas como memória e tradição, manejo florestal e economia sustentável, mulher e conservação da terra, saúde e tecnologias da floresta, e arte e juventude.

Receitas de formatos: Laboratório

Proponente: Rodrigo Antonio da Silva

Contato:  a.rodrigogrillo@gmail.com 

Links: https://vimeo.com/rodrigoantonio

 

Curso on-line com o objetivo de contribuir e fomentar a criação de formatos audiovisuais ........ e a cadeia de profissionais do audiovisual do Estado, tendo como temática a cozinha tradicional paraense.

Serão convidados chefes de cozinha, detentores e conhecedores do patrimônio alimentar do Pará, e outros profissionais com vivências particulares no campo da gastronomia, para relatarem suas vivências.

CRIAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE OBRAS 1

Icamiabas e o Lago do Espelho da Lua  

Proponente: DES Desenvolvimento, Empreendedorismo

Contato: lorennmonte@gmail.com 

Links: 

 

Produção do longa-metragem Amazonas Icamiabas e o Lago do Espelho da Lua, em um contexto sociopolítico ultrarrealista, no qual grandes projetos de mineração estilhaçam a biodiversidade amazônica e ignoram o conhecimento ancestral.

Outros temas são os dilemas da mulher amazônica envolvendo a maternidade, os abusos no campo profissional, a sororidade e a luta pela manutenção dos saberes ancestrais.

O projeto cinematográfico tem como ponto de partida a mitologia das Amazonas, tribo de mulheres indígenas guerreiras, para a construção de um roteiro híbrido.

Minha Vida Por Um Fio

Proponente: Anna Karla de Sousa Lima

Contato: karlinhaslima@gmail.com

Links: 

 

Retratar acidentes de escalpelamento (arranchamento do couro cabeludo de maneira brusca) em eixos de motores descobertos de embarcações artesanais - com um grande número de notificações na região Norte do país, atingindo principalmente mulheres jovens e crianças das populações ribeirinhas.

O estado do Pará é referência no atendimento desse acidente, que exige desde cirurgias plásticas a enxertos. As vítimas têm suas vidas laborais comprometidas pelo ocorrido e são inseridas em itinerários terapêuticos por toda a vida.

Conflitos na Amazônia: Defensores da Floresta e dos Rios

Proponente: Cícero de Oliveira Pedrosa Neto

Contato: pedrosanetophoto@gmail.com

Links: 

 

Dar visibilidade ao cotidiano e às formas de resistência de mulheres e homens que, por encabeçarem lutas em defesa da Amazônia, pelo direito à terra, à vida digna e à permanência em seus territórios sagrados, acabaram se tornando alvos de ameaças que colocam em risco a si e as suas famílias.

A iniciativa pretende dar voz a indígenas, quilombolas, agricultores familiares, assentados e ribeirinhos, que mais do que sobreviverem da floresta, precisam também fugir para sobreviver às perseguições daqueles que veem a floresta e os rios não como um lugar de produção e reprodução de símbolos, mas como um meio para o desenvolvimento. O documentário abordará também aspectos do impacto da Covid-19 com agravante das dificuldades já existentes.

Maria e Zé Claudio

Proponente: Fábio Oliveira Lim   

Contato: fabinho.audiovisual@gmail.com   

Links: 

 

O pós-assassinato dos ambientalistas Maria do Espírito Santo Silva e seu esposo José Claudio Ribeiro, mortos por pistoleiros a mando de fazendeiros em maio de 2011, devido suas denúncias contra desmatamento e retirada ilegal madeira do Assentamento Agroextrativista em que moravam, em Nova Ipixuna, no sudeste do Pará.

Assassinos e mandantes foram presos e julgados. Inicialmente absolvido num julgamento que foi anulado pela justiça, o fazendeiro mandante acabou sendo condenado a 60 anos de prisão em 2016, mas fugiu.

Nesse período, que completa 10 anos em 2021, familiares de Maria e Zé Claudio, e testemunhas do caso, vêm sofrendo ameaças contra suas vidas e intimidações para que deixem o assentamento de reforma agrária onde vivem. Mesmo assim seguem mobilizando a luta por justiça contra a violência no campo e transformaram a residência de Maria e Zé Claudio num museu-fundação que leva seus nomes, conservando a floresta de suas terras em pé, assim como a gigantesca castanheira que os ambientalistas chamavam de Majestade, hoje símbolo da memória de lutas do casal.

CRIAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE OBRAS 2

Lua Norte 2.jpg

Lua do Norte

Proponente: Floresta Vídeo Gráfica Editora

Contato: contato@florestavideo.con br

Acesse o Instragram do projeto AQUI

 

Série histórica para TV, em 5 episódios, de 26 minutos cada, intitulada Lua do Norte, ficção que se desenrola durante o período da Cabanagem (1835-1836), a maior rebelião popular - com o protagonismo de tapuias e negros - da história brasileira e marco fundamental da história do Pará.

Na trama, personagens fictícios e reais evoluem através dos fatos, gerando uma interpretação da Revolução Cabana, as origens, idas e vindas, a vinculação com ideias da Revolução Francesa e o desfecho trágico, porém carregado de esperança.

Para os povos do Pará e da Amazônia, trata-se de uma obra de grande importância ao abordar o drama histórico que moldou política e culturalmente a região. Para a Floresta Vídeo e para o autor do argumento original, Luiz Arnaldo Campos, trata-se de um corolário de suas trajetórias profissionais que sempre tiveram foco na cultura e história afro-indígena amazônica.

  • Facebook
  • Instagram

Acesse as redes

do projeto

Fruti-feras

Proponente: Lúcia Ferreira Tupiassú

Contato: luciatupiassu@gmail.com

Links: www.linkedin.com/in/lucia-tupiassu/

 

Fruti-Feras é uma série de animação infantil, com foco no público entre 3 e 6 anos, que aborda questões relativas a essa fase do desenvolvimento das crianças, mesclando-as com curiosidades sobre a floresta amazônica, suas características naturais, sociais e culturais. A série acompanha o cotidiano de uma turminha de frutas amazônicas (cupuaçu, bacuri, cacau, pupunha, uxi, biribá) que vivem em um parque de preservação ambiental e aprendem sobre os segredos e mistérios da floresta enquanto lidam com os desafios típicos primeira infância. O projeto é de autoria de Lúcia Tupiassú e está sendo desenvolvido com a participação das roteiristas Camila Kzan, Adriana de Faria e Dayana Manasses, da produtora executiva Wanda Correa e do animador Otoniel Oliveira (Estúdio Iluminuras).

Como contrapartida pela premiação na Lei Aldir Blanc Audiovisual Pará, o projeto oferecerá duas oficinas gratuitas com foco em estudantes das redes públicas. A oficina "ROTEIRO AUDIOVISUAL: primeiros passos" será ministrada por Lúcia Tupiassú e Camila Kzan para jovens a partir dos 14 anos, já a "OFICINA DE ANIMAÇÃO: fundamentos e técnicas de movimento para dar vida a personagens de animação" será ministrada por Otoniel Oliveira para jovens acima de 12 anos. As datas e o link para inscrições serão divulgados em breve.

Live 1.jpg
Live 2.jpg

OFICINAS OFERTADAS

ae3a08d0-0323-42f3-ae56-14c4d0c73c6b.jpg

A animação é a estética cinematográfica que usa várias técnicas de forma criativa para dar expressividade, movimento e vida a objetos originalmente inanimados usando as linguagens do audiovisual. Na OFICINA DE ANIMAÇÃO: fundamentos e técnicas de movimento para dar vida a personagens de Animação, voltada para jovens a partir de 14 anos, com foco em estudantes da rede pública, veremos os princípios da expressividade e movimento do cinema de animação aplicado em personagens, sejam eles desenhados, criados a partir de manipulação de objeto ou mesmo capturado a partir do corpo humano com o pixelation. A oficina apresentará discussão teórica com exemplos e experimentação de produção.

Datas: 15, 16 e 17 de abril, das 10h às 12h

Público-alvo: jovens a partir de 14 anos, prioritariamente estudantes da rede pública

Inscrições de 20 de março a 04 de abril no link: http://bit.ly/oficinaanimacao2021

2ba42d13-5305-4084-b061-ed4a0e698200.jpg

Quais são os primeiros passos para a construção de um roteiro audiovisual? De onde surgem as histórias e de que maneiras podemos contá-las? A oficina ROTEIRO AUDIOVISUAL: primeiros passos, voltada para jovens a partir de 14 anos, com foco em estudantes da rede pública, aborda os princípios básicos da escrita para o audiovisual. Desde o que é o roteiro, para que serve e, principalmente, como criar e dar corpo a uma história. O conteúdo da oficina inclui ainda a compreensão dos diferentes formatos e gêneros audiovisuais, elementos narrativos e o que são alguns termos técnicos como logline, storyline, sinopse, argumento, escaleta e bíblia de série.

Datas: 19, 21 e 23 de abril, das 10h às 13h

Público-alvo: jovens a partir de 14 anos, prioritariamente estudantes da rede pública

Inscrições de 20 de março a 04 de abril no link: http://bit.ly/oficinaroteiro2021

DIFUSÃO AUDIOVISUAL 1

VIII Mostra de Cinema da Amazônia

Proponente: Sonia Socorro do Carmo Sales

Contato: soniasalesproducao@gmail.com

Links: 

 

Projeto audiovisual que utiliza o cinema como ferramenta de preservação e valorização da memória, além de difundir a imagem da região Amazônica para o Brasil e para o mundo. O evento existe desde 2005 com sete edições realizadas, já tendo passado por 5 países, 20 cidades e exibido 180 títulos da Amazônia brasileira e internacional.

A oitava edição do evento será toda realizada online envolvendo exibições, encontros, debates e palestras em forma de lives, e terá como tema o resgate da memória do estado, consistindo numa mostra de longas, curtas e médias metragens, cinejornais e documentários produzidos no Pará entre as décadas de 1920 e 1980.

6º Festival (FIA CINEFRONT)

Proponente: Claudiana Gomes Guido

Contato: claudiana@unifesspa.edu.br

Links: 

 

Difusão gratuita de obras audiovisuais que, em sua maioria, não chegam ao circuito comercial de cinema, para um público regional amplo (turmas escolares e universitárias, movimentos sociais, grupos indígenas, camponeses e demais parceiros ou interessados), que geralmente não dispõe de acesso a este tipo de filmes – difusão acompanhada, ainda, por debates qualificados e oficinas de formação relacionadas ao campo do audiovisual.

WhatsApp Image 2021-04-14 at 14.19.36.jp

O FIA CINEFRONT aposta na linguagem audiovisual como meio para aprofundar discussões temáticas sobre as regiões de fronteira (econômica, política, ambiental, cultural etc.) – em especial, sobre os temas sociais na Amazônia, utilizando obras de realizadores paraenses.

mostra-vem-ai.png

Festival Pan-Amazônico de Cinema

Proponente: Instituto Culta da Amazônia

Contato: iIstitutoculta@gmail.com 

Site: www.amazoniadoc.com.br

Acesse o Amazônia Flix e assista clicando AQUI

 

Festival com foco em cinema documentário dos nove países que formam a Amazônia. Realizado desde 2009, acumulou mais de 1200 obras no seu acervo, e premiou quase uma centena de obras, entre longas e curtas metragens, documentários e ficções de toda a Pan-Amazônia.

Esse acervo mapeia o melhor da produção amazônica de Cinema, tanto historicamente como em termos artísticos. Uma Mostra retrospectiva desses 12 anos de Festival vai dar acesso a obras de suma importância para o reconhecimento do valor do audiovisual amazônico, além de resgatar obras-primas inacessíveis ao público paraense.

dee96eb7-f7ea-43f2-8f5b-aa9b3fa70eae.jpg

VI FICCA – Festival Internacional de Cinema do Caetê

Proponente: Francisco de Assis Weyl

Contato: carpinteirodepoesia@gmail.com

Acesse o site e conheça a programação completa AQUI 

Mostras compostas pelos vencedores dos concursos anteriores formam o VI FICCA (2021), e os filmes serão levados às comunidades, onde também ocorrem rodas de conversas e formações audiovisuais. Em razão da pandemia, o VI FICCA ocorre em dois momentos, virtual e/ou presencial, respeitando-se as recomendações das autoridades sanitárias.

Acesse as redes do projeto 

  • Facebook
  • YouTube

O FICCA se fará presente no município de Bragança, estendendo-se, entretanto, de forma virtual a comunidades vizinhas da Região de Integração Rio Caeté, e nordeste paraense, como Augusto Corrêa, Capanema e Tracuateua, alcançando diversos públicos.

Acesse matéria no Blog Holofote Virtual AQUI

DIFUSÃO AUDIOVISUAL 2

Novissimo.jpg

I Mostra Novíssimo Cinema Paraense

Proponente: Christian Araújo da Costa 

Contato: chrisaraujodacosta@gmail.com

Link para inscrições até o dia 30/03: https://linktr.ee/novissimocinemapa

 

O evento tem como objetivo apresentar obras da recente produção audiovisual paraense, contribuindo para sua difusão e debate. Em abril, a mostra reunirá profissionais da área, promovendo encontros e reflexões através de crítica das obras audiovisuais que refletem a diversidade de formas de produção e temáticas do estado do Pará.Poderão participar • Curtas de ficção, documentário e animação (duração de 1 a 25 minutos).• Videoclipes (duração de 1 a 10 minutos).Os filmes selecionados receberão o valor de R$ 350,00 (curtas) e R$ 250,00 (videoclipes) como pagamento pela exibição.A exibição será realizada de forma gratuita no site e nas redes oficiais da mostra no período de realizaçao evento.As inscrições serão gratuitas e estão abertas até o dia 30/3. Confira o edital completo e todos os detalhes disponíveis na bio projeto no link de Instagram acima.

I Festival Internacional de Cinema Indígena da Amazônia

Proponente: Jessica de Mendonça Alves Mota

Contato: jessicamota33@gmail.com

Links: 

 

O I Festival Internacional de Cinema Indígena da Amazônia quer atingir os 9 países aonde se estende a floresta amazônica, com ediçāo online, por meio da hospedagem de filmes em plataforma streaming. Toda a programação de produçōes contemporâneas de cinema indígena brasileiro e internacional ficarão disponíveis para o público, de forma gratuita, no site oficial do evento durante todo o período do festival.

O Festival também abrirá portas para atividades de formação permeando as diversas linguagens que compõem o cinema. Através do CinEduca, uma das páginas do site oficial, será criado um portal para o fomento da uma rede de cultura e educação cinematográfica amazônica inédita, que disponibilizará conteúdos através de videoaulas de formação básica e prática, artigos, livros de domínio público e de instituições universitárias, assim como indicações de diversos tipos de conteúdo, livros e materiais para enriquecer a pesquisa e produções locais.

IMG-20210303-WA0060.jpg

Cinema no Marajó

Proponente: Denise Machado Cardoso

Contato: denisecardosoufpa@gmail.com

Acesse o site do projeto AQUI

Dois municípios do Arquipélago do Marajó receberão oficinas de fotografia e de introdução ao audiovisual. A população ribeirinha de Melgaço e Breves poderá contar suas próprias histórias através de fotografias e do cinema. Oferecer essa oportunidade aos jovens é responsabilidade do projeto Cinema no Marajó, uma iniciativa do Grupo de Pesquisa em Antropologia Visual VISAGEM/UFPA sob coordenação Denise Cardoso, que é um dos selecionados pelo Edital de Audiovisual – Lei Aldir Blanc Pará 2020. A ideia é envolver jovens e que ao final terão oportunidade de mostrar seus resultados em galeria virtual e na Mostra online de cinema.

Acesse matéria especial em O Liberal AQUI

WhatsApp Image 2021-03-18 at 15.52.04.jp

Acesse as redes do projeto 

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

Assista a gravação da Roda de Conversa:

A Importância das Mostras e Festivais de Cinema na Amazônia

Festival Folclórico da Farinhada

Proponente: Vandenilson dos Anjos

Contato: valdenilson-moura@hotmail.com

Links:  

 

Formato virtual do Festival Folclórico da Farinhada (FESTFAR) organizado pelo Grupo Folclórico Farinheiro desde 2018, na vila do "Vai Quem Quer" na zona rural de Monte Alegre no estado do Pará. 

O enredo das apresentações folclóricas é baseado nos costumes, vivências, e aspectos culturais e sociais do produtor rural paraense, em especial do farinheiro. Vão ser registradas, também, as memórias dos mestres griôs, que com sua experiência mantém viva a tradição da produção artesanal de farinha no estado.    

Banzeirão do Tucuxi

Proponente: Douglas Luís Goes de Lima

Contato: douglaslima.goes@gmail.com

Links:  

Evento folclórico que é realizado na comunidade de Alter do Chão, na cidade de Santarém, em preparação para o evento do Çaire uma das maiores manifestações artísticas e culturais da Amazônia brasileira, onde os botos Tucuxi e Boto Rosa realizam uma grande festa em homenagem à cultura paraense.

A iniciativa irá mostrar o momento em que é anunciado o tema da festa do Boto Tucuxi, que será levado para avenida no evento do Çaire. Na ocasião personagens típicos amazônicos se apresentam embalados por danças folclóricas locais e promovem a beleza e a exuberância, das florestas, rios e fauna paraense.   

DIFUSÃO AUDIOVISUAL 3

Violência Contra a Mulher de Carajás

Proponente: Alex de Souza Vieira

Contato: dacavieira@gmail.com

Assista vídeo da campanha AQUI

 

O projeto Violência Contra a Mulher de Carajás  visa selecionar um conjunto de vídeos, de curta metragem, disponíveis gratuitamente na Internet, que abordam o tema de feminicídio, violência de gênero e violência contra a mulher e que sejam produzidos em âmbito local, regional, estadual ou nacional – serão priorizados os vídeos estaduais e regionais e, preferencialmente, aqueles que façam forte uso de artes cênicas na sua produção.

A iniciativa  também pretende-se realizar 5 sessões para exibição desses vídeos utilizando, para isso, uma plataforma online que possibilite a realização das exibições e debates que devem ocorrer ao final de cada vídeo. Esses debates devem ser mediados por uma pessoa com experiência em moderação de debates. Para a realização dessas sessões, serão convidados intérpretes de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais).

Circuito CINECLUBE

Proponente: Mazô Filmes

Contato: james.silva008@gmail.com

Visite o perfil do projeto no Facebook AQUI

Visite o Instagram do projeto AQUI

 

O Circuito Cine Clube  tem como objetivo dar visibilidade a cineclubes e projetos independentes de produção e debates cinematográfico do estado do Pará. O Circuito irá buscar os principais trabalhos dessas organizações coletivas para apresentar em mostras virtuais seguidas de debates em formato de live com os idealizadores dos projetos, para abordar os principais aspectos de seus trabalhos nas comunidades, sejam eles focados em informação, cultura, produção artística e cinematográfica. A programação do Circuito Cineclube irá ao ar a partir do dia 22 até o dia 26 de março, no instagram e facebook do projeto. 

Durante a programação será realizada uma mostra de produções paraenses independentes, sempre antes de um debate. O circuito tem a apresentação e mediação do jornalista e produtor de conteúdo Kadu Alvorada.

WhatsApp Image 2021-03-20 at 11.02.50.jp

Cineclubismo e a Toada

Proponente:  Rosineide Santos Pantoja

Contato: ananindance@hotmail.com

Links: 

A iniciativa Cineclubismo e a Toada irá capacitar os grupos de todas do estado na linguagem do audiovisual, possibilitando assim que as próprias comunidades registrem e disseminem sua produção artística e cultural local, disponibilizando o material nas Redes Sociais. 

O projeto cinematográfico irá promover oficinas de vídeos populares e sessões de cine clube que irá abordar produções que narram a trajetória dos movimentos de toadas no Brasil e no estado do Pará, possibilitando assim uma discussão e debate sobre a cultura amazônica.   

Cine Direitos em Debate

Proponente: Tassia Christinne Brito Coelho

Contato: tbrito.coelho@gmail.com

Links: 

 

O projeto Cine Direitos em Debate será promovido pelo Cine Guamá que existe desde 2010, a iniciativa tem como objetivo mergulhar a comunidade do bairro do Guamá em Belém no universo cinematográfico, apresentando o mais variado cenário fílmico e suas linguagens ao público, que varia de infanto-juvenil a adultos e idosos. Sendo os dois primeiros os que mais acessam nossas atividades, por estarem muitas vezes em situação de vulnerabilidades, sendo estes espaços construídos por meio de voluntariado de parte desse público cativado nessas rotinas.

Os temas por sua vez estão em diálogo a anos, discutindo temas que são correlatos em nossa sociedade, como identidade étnico racial, gênero e sexualidades, e ciberespaço e cibercultura e as dinâmicas sociais que esses temas englobam para compreender a atualidade.

OBRAS EM FINALIZAÇÃO 1

Os Fãs mais rebeldes que a Banda

Proponente: Tamirez Duarte Cecim de Souza

Contato: tamicecim@gmail.com

Links: 

 

O projeto se destina a finalização do filme “Os fãs mais rebeldes que a banda”, longa-metragem de ficção do gênero drama musical em cores e em formato digital com duração de 100 minutos, produzido pelo Coletivo Inovador Talvez Filmes, filmado em 2019.

O filme foi um campo de experimentação, pesquisa e aprendizado, demonstrando o potencial artístico, técnico e colaborativo de nossa região. A obra se destina a uma faixa etária pouco contemplada nas produções regionais e fundamental para a formação de público, abordando, através da construção visual e musical das sequências o amadurecimento das personagens. O projeto conta com a co-direção de uma mulher, um homem trans e um homem gay, diversidade por trás das câmeras que será refletida nas telas.

A década do Contato

Proponente: Fronteira Norte

Contato: financeiro@fronteiranorte.com.br

Links: 

 

O projeto tem como objetivo finalizar o filme A Década do Contato, Longa-metragem do gênero documentário de 72 minutos.  A produção narra a questão indígena e de como o estado brasileiro não consegue mais garantir a segurança de povos isolados na maior floresta do mundo.  

O documentário trás a tona as ameaças de madeireiros, garimpeiros e grileiros e de como o estado brasileiro e responsável, por continuar cumprindo sua missão de décadas: monitorar e proteger populações de índios isolados do extermínio.

Consagração.jpg
Consagração Liberal.jpg
Consagração Diario.jpg

Consagração

Proponente: Nátia Ney Teixeira Machado

Contato: natianey@hotmail.com

Links: https://instagram.com/consagracao.filme?igshid=otw580pt3mhn 

 

O projeto Cinematográfico "Consagração" é uma produção Documental que aborda a questão religiosa do ritual do Santo Daime no estado do Pará, a partir do processo de acompanhamento da celebração religiosa das comunidades envolvidas nesse ritual religioso, que ainda e envolto em desconhecimento e preconceito.

O documentário também agregara ao cenário audiovisual do estado do Pará um produto visual com características antropológicas, etnográficas e culturais peculiares, que ultrapassa as fronteiras geográficas de vários estados da federação. 

Clique nas imagens e acesse as matérias

Feitiço.jpg
Matéria lançamento.jpg

#feitiço

Proponente: Rosilene da Conceição Cordeiro

Contato: enelisorcordeiro@yahoo.com.br

Link divulgação AQUI 

Assista a live de lançamento do projeto ocorrida no dia 4/3 clicando AQUI

 

O longa Feitiço é um filme documentário experimental, que retrata vivências artísticas, memórias e encantarias da Amazônia paraense. A produção é fruto de dois anos de viagens da produtora Rosilene Conceição que entre os anos de 2018 a 2020, capturou imagens das manifestações artísticas e culturais das cidades de Bragança, Parauapebas, Irituia, Capanema e Ilha do Marajó (Soure, Ponta de Pedras e nos quilombos do Tartarugueiro e do Santana).
O projeto cinematográfico pretende realizar sessões públicas de cinema nas cidades retratadas no longa, bem como realizar gratuitamente oficinas de audiovisual  para mulheres multiplicadoras, preferencialmente estudantes e professoras da rede pública de ensino do Distrito de Icoaraci em Belém.

Clique na imagem e acesse a matéria

WhatsApp Image 2021-03-08 at 20.47.46.jp

Mestre Diquinho e os Tambores do Pacoval

Proponente: Luciane Santana Bessa

Contato: lucianebessa@gmail.com

Links: 

 

O projeto consiste na finalização do documentário sobre a vida e obra de Mestre Diquinho e o Conjunto de Carimbó Tambores do Pacoval, do município de Soure, Marajó. O grupo faz parte da AMPAC (Associação de Moradores do Bairro Pacoval), que há mais de 10 anos realiza um trabalho social e cultural premiado diversas vezes em nível nacional, estadual e municipal, pela valorização de mestres de cultura popular e transformação de um bairro antes conhecido pela violência em referência de cultura e arte em todo o estado do Pará e atração de turismo nacional e internacional.

Mestre Diquinho é compositor, violonista, cantor e artesão marajoara. Cresceu entre campos e rios trabalhando como vaqueiro e pescador, imerso na poesia e encantaria únicas desse lugar.

Da sua vivência surgiram canções em vários ritmos: do carimbó ao samba, do bolero ao xote e ao boi, que são tocadas magistralmente pelo mestre em diversos grupos, desde os anos 60, e atualmente junto ao Tambores do Pacoval, ao lado de jovens da comunidade e, com brilho especial, mulheres ao tambor. A Finalização inclui a inserção de cenas de animação ilustrativas de canções de Mestre Diquinho, com o tema das encantarias do Marajó.

Missão Mapuá

Proponente: Francisco Paulo da Silva

Contato: luxamazonia@gmail.com

Links: 

Os Breves – Missão Mapuá é uma obra de ficção que começou a ser idealizada em 2015 em Breves, no Marajó, e envolveu, aproximadamente, uma centena de pessoas entre técnicos, produtores e elenco, quase todos selecionados e qualificados em Breves e Portel por meio de 17 oficinas (sobre produção, arte, interpretação, dança e canto indígena, nheengatu) realizadas pela Lux Amazônia.

O produto cinematográfico terá próximo de 90 minutos de duração e sua trama é o encontro de Isabelle, uma jovem remanescente da família Breves, com Boirá, uma jovem Mapuá, que opta por permanecer nas terras que antes eram habitadas por seu povo. O encontro entre as duas será o fio condutor da trama onde se discutirá a política de ocupação lusitana da Amazônia (Grão-Pará e Maranhão), o papel da Igreja e as estratégias de resistência indígena.

Círio. Outras Perspectivas

Proponente: Paulo André Favacho Silva

Contato: tremefilmess@gmail.com

Links: 

Proporcionar ao público uma visão que concilie a educação patrimonial para os festejos de Nossa Senhora, patrimônio de natureza Imaterial Brasileiro, tombado pelo IPHAN em 2013, e ao mesmo tempo expanda o entendimento da importância da festa para além do sentido religioso católico tradicional.

A iniciativa portanto irá apresentar ao público paraense um registro sobre a maior festa católica do mundo, através de uma série que contemple diversas narrativas envolvidas na potência religiosa da festa.

Sabor Selvagem

Proponente: Julia Mendes Garcia

Contato: juliamendesgarcia@gmail.com

Links:

Série documental que retrata a cultura e a gastronomia amazônica, filmada no nordeste paraense e na zona bragantina, apresentada pelo chef Ofir Oliveira.

Abordando a culinária de uma forma inusitada, o projeto retrata a amplitude da cultura amazônica e as infinitas possibilidades que se abrem por meio da gastronomia regional. A intenção do programa é dar voz aos guardiões e guardiãs de saberes alimentares do estado do Pará. A área selecionada foi a mesorregião do Nordeste Paraense, onde a Amazônia encontra o mar, mostrando as cidades de Vigia, Bragança, Tracuateua e Augusto Corrêa e entornos, com entrevistas, rituais, vivências, trabalhos, histórias e outras formas de relação entre os personagens, os alimentos e o meio ambiente.

A Criação do Carimbó (Web Série)

Proponente: Cristiane Salgado da Silva

Contato: amazoniadoc.br@gmail.com

links:

Série documental em três capítulos que narra, por meio da história de mestres de Carimbó da região do salgado paraense, da região metropolitana de Belém e da região do Tapajós, os sentidos que fizeram desse ritmo um patrimônio cultural brasileiro e uma manifestação de resistência do modo de vida amazônico tradicional.

Voltado para o auto reconhecimento das virtudes nativas do paraense, seu público e sua linguagem são de interesse global, por carregar em si modelos de humanidade e transcendência no fazer artístico, no lazer e no cultivo das relações comunitárias que dão coesão ao modo de vida dos personagens apresentados.

CURTA METRAGEM

Os sentidos do estupro na Amazônia

Proponente: Luana Genu Klautau

Contato: luana.klautau@gmail.com

links:

Documentário de curta metragem que promove um diálogo entre a pesquisa científica e a arte, cujo público-alvo é jovem/adulto e composto por interessados/as em questões de gênero e de raça/etnia e questões sociais amazônicas.

A proposta consiste em documentar entrevistas com mulheres que foram vítimas do estupro, fazendo ecoar suas vozes sobre uma violência que permeia suas existências, mas que ainda são sobremaneira silenciadas.

No atual contexto de efervescência feminista, acredita-se que as sobreviventes estarão dispostas a relatar as experiências, desde que nos próprios termos, como sujeitas da própria história.

Desta forma, o argumento trazido no documentário de ruptura com o silêncio consiste no seu fio condutor e tem a finalidade de cessar com o interdito em torno do estupro, trazendo-o para a centralidade do debate público, em especial na região amazônica.

Monteiro Lopes

Proponente: Bianca Rego D Aquino

Contato: biancaquino11@gmail.com

links:

Filme com protagonistas femininas e dirigido por uma mulher da comunidade LGBTQI+ - que tem como ponto central uma relação inter-racial e homoafetiva, cujo pano de fundo é a criação de um doce regional.

A iniciativa contribui para a visibilidade do tema dentro da sociedade, dentro e fora do Estado podendo no futuro servir como referência regional.

A Estrela da 28

Proponente: Melissa Gabriela Feitosa de Souza

Contato: melissagabrielasouza@gmail.com

links:

Curta-metragem documentário de 20 minutos, dirigido e protagonizado pela multiartista Melissa Gabriela, mais conhecida por seu nome artístico, Melissandra da 28.

O filme narra a trajetória da artista e os bastidores dos trabalhos de sua nova produção musical: o lançamento de uma faixa inédita, com show na Feira da Folha 28, subúrbio onde ela vive na cidade de Marabá.

O documentário aborda a vivência de uma travesti que já é referência na cultura paraense, contribuindo para a construção de novas narrativas pessoais que vão de encontro aos estereótipos normativos sobre qual seria o lugar de uma travesti na sociedade.

Madá

Proponente: Cecilia Nascimento Ferreira

Contato: sapucaiafilmes08@gmail.com

links:

Curta-metragem que conta a história de uma mulher que deseja ser uma dançarina profissional, e se ve em um conflito que a leva a escolher entre a carreira e a família. A proposta se destina ao público adulto, porém tem a magia do sonho adolescente.

O projeto se propõe a tocar em temas mais complexos de forma leve, pois tem o intuito de fazer um cinema de entretenimento, não deixando de lado a função de comunicar, denunciar, pois paralelo à trama principal, se estabelece uma relação com a cultura bragantina, com os problemas locais, e desta forma o roteiro joga com essas temáticas sociais e o idealismo de um sonho.

Entre resistir, persistir e existir

Proponente: Dimitria Leão de Queiroz

Contato: dolores.mynos@gmail.com

links:

Documentário que aborda as condições atuais de três famílias ribeirinhas que protagonizaram a luta política para a criação da Reserva Extrativista Rio Xingu, uma área de 303.841ha criada em 2008, período de intensa movimentação política na região da Transamazônica e Xingu, pelo retorno da perspectiva de instalação da Hidrelétrica de Belo Monte.

A produção irá mostrar os membros de comunidades tradicionais que tomaram a frente das disputas políticas, pela defesa de direitos humanos e ambientais da região, muitas vezes realizando viagens para a participação em congressos internacionais e nacionais.

Várzea Wave

Proponente: Diego Farias dos Santos

Contato: movielike@outlook.com

links:

Acompanhar as atividades do projeto Várzea Wave, que desde 2019 vem buscando revelar artistas de comunidades amazônicas, que possuem conteúdos de relevância artística e cultural, mas que sozinhos não conseguem dar ampla divulgação aos seus trabalhos.

As comunidades envolvidas estão localizadas na região do Oeste do Pará, sendo elas: aldeia indígena às margens do Rio Arapiuns; Comunidade Quilombola, do Rio Erepecuru em Oriximiná, e aldeias indígenas da Vila de Alter do Chão em Santarém (PA).

Boaventura: vaqueiro encantado

Proponente: Edne Wagner Ribeiro Maués

Contato: ednemaues@gmail.com

links:

Mitopoética do Vaqueiro Boaventura, que é um signo pulsante nas mentes marajoaras, principalmente, nas savanas inundáveis, onde se localizam as fazendas de gado bubalino e vacum. Dizem que ele é visto entre os campos de Soure e Chaves, sendo sua morada o teso do Mututí, lugar historicamente visto como encantado.

O enredo da produção já está na memória coletiva da comunidade regional e irá utilizar conteúdos regionais, bem como espaços, personagens e narradores tradicionais da cultura marajoara no estado do Pará.

WhatsApp Image 2021-03-23 at 14.48.15.jp

Amador, Zélia

Proponente: Glauco Victor Dias de Melo

Contato: glaucoviktor@gmail.com

Acesse o INSTAGRAM do projeto AQUI

Acesse divulgação AQUI

Acesse matéria especial na TV Cultural AQUI

Trajetória da educadora, artista, pensadora e ativista Zélia Amador, uma das fundadoras do Centro de Estudos e Defesa do Negro(a) no Pará (Cedenpa) inserindo lembranças pessoais, imagens de arquivo e contextos históricos do Estado a partir, principalmente, da eclosão dos eventos da década de 1960, com a implantação do regime militar, ascensão dos movimentos estudantis, do teatro alternativo e do surgimento dos movimentos pelos direitos humanos.

Em todo esse cenário Zélia, mulher negra, oriunda da periferia, do interior do Marajó, depois para a periferia urbana de Belém - foi partícipe e protagonista. O projeto é voltado a pessoas interessadas na história contemporânea local, e dialoga com temas atuais, como o feminismo e o movimento negro, relacionados aos direitos humanos e o papel do artista na sociedade.

SERIES E WEBSERIE

Ãgawaraitá: Histórias Amazônicas

Proponente: Adrielle Priscila da Silva Tavares

Contato: ptapajowara@gmail.com

links:

Experiências vivenciadas por indígenas e ribeirinhos com os seres Encantados, na região Baixo do Tapajós, aldeia Solimões, etnia Kumaruara, rio Tapajós; aldeia Ipaupixuna, etnia Munduruku, Planalto santareno; aldeia Alter do Chão, etnia Borari, rio Tapajós e a comunidade Jamaraquá, rio Tapajós.

Vivências como a da Curupira e do Boto, que possuem grande influência na vida e no cotidiano de quem vive na floresta, vistas como meras lendas ou apenas criação do imaginário dos povos da floresta.

A websérie, do gênero docficção, terá 4 episódios com duração de até 15 minutos. Cada episódio contará uma história escolhida por determinada localidade e a escolha se dará a partir de rodas de contação de histórias entre jovens, no qual a comunidade irá participar sendo os próprios personagens.

Ferrovia Amazônia (3 episódios)

Proponente: Alexandra de Araújo Duarte

Contato: alexandramoussallem@gmail.com

links:

Investigação e registro audiovisual de ocorrências sobre a dinâmica de exploração de minérios no sudeste do Pará, abordando o escoamento da riqueza paraense via Ferrovia Carajás até o porto de Itaqui, no Maranhão, com escutas de narrativas de personagens sociais que atuam profissionalmente, politicamente e/ou compõem a população que vive neste contexto, focando o cenário de desenvolvimento econômico, os impactos ambientais e conflitos sociais que são decorrentes de tais atividades da mineração.

Pretas na Pandemia

Proponente: Yasmin Aicha Costa Siqueira

Contato: aichasiqueir@gmail.com

links:

História de mulheres negras afetadas pela pandemia. A obra nasce diante da tentativa de apagamento das denúncias, histórias e do protagonismo das mulheres negras da Amazônia durante a maior crise sanitária dos últimos tempos.

A obra conta com 5 episódios, que serão gravados em formato vertical. A série terá como plataforma IG TV no instagram @pretaswebserie. A 1ª temporada da websérie pretas já foi premiada internacionalmente como melhor série de diversidade no Rio Web Fest e lançada em 2019.

LICENCIAMENTO DE OBRAS

Minguante

Proponente: Mariana Alves Moraes

Contato: contato.marimoraes@gmail.com

links:

Curta metragem do gênero ficção, finalizado em full HD, em formato digital, realizado no ano de 2019. Histórias se cruzam no espaço do bar 'Zodíacos'; entre elas, está Jean. Em dias diferentes, acompanhamos a conexão com o bar através das suas relações pessoais. O filme reflete a ligação dos relacionamentos com os lugares em que eles perpassam e transitam.

Divino, a festa

Proponente: Carlos André da Costa Souza

Contato: andresemedcom@gmail.com

links:

Resultado de 2 anos de pesquisa, entre 2017 e 2019, com 17 grupos de religiosidade popular denominados “Divindades do Espírito Santo”, em Marabá (PA). O material final reúne gravações de entrevistas de vários desses grupos, em que os representantes narram a ritualística da festa centenária, que teve suas origens na Europa, além da decadência da manifestação e os principais motivos para esse fenômeno.

O vídeo, assim, se tronou um importante legado para os foliões do Divino, pois deu visibilidade a esse segmento religioso, ajudando no resgate da memória popular da região, que conheceu a festa em todo o seu vigor nas décadas de 1980 e 1990.

O Filho do Homem

Proponente: Beatriz de Oliveira Fonseca

Contato: bea.oliveirafonsec@gmail.com

links:

Curta-metragem que conta a história de um Homem e a relação com um velho em uma antiga casa. O relacionamento é retratado em narrativa curta e sensorial, na qual o simbolismo do fogo, como elemento renovador da natureza, tem papel essencial.

O filme foi selecionado para sete mostras e festivais nacionais, incluindo a 24ª edição da Mostra de Cinema de Tiradentes, e ganhou dois prêmios no 10º Cinefantasy – Festival de Cinema Fantástico – Melhor filme estudante e Prêmio AIC.

Musa Pagã

Proponente: Fillipe Augusto Rodrigues Costa

Contato: fill.rodriguescosta@gmail.com

links:

Curta-metragem que conta a história de Luis, um fotojornalista do caderno policial de um jornal que registra cenas de morte e assassinatos diariamente para sobreviver, e Doralice, uma vampira que encontrou em Luis algo a mais do que simplesmente alguém para se alimentar.

Os dois vivem juntos em uma relação simbiótica em que tentam suprir suas necessidades emocionais, psicológicas e físicas. O aspecto fantástico da narrativa (o vampirismo) foi usado para tratar metaforicamente sobre temas como a dependência, a posse, o aprisionamento e o ato de se doar para o outro, existentes na relação dos dois.

O projeto foi selecionado pelo Prêmio Seiva de Produção e Difusão da Fundação Cultural do Pará em 2018 e desde então foi exibido em 14 mostras e festivais de cinema por todo o Brasil e em Portugal.

Dorso

Proponente: Ana Júlia Antunes Lima

Contato: a.j.antunes.lima@gmail.com

links:

Adaptação de um conto paraense, de autoria do próprio diretor do curta Roger Braga, no qual o protagonista lembra a sequência de eventos que levaram ao término de namoro com Dor, ao descobrir uma traição.

O filme possui estética bem lúdica, com uma profusão de cores e objetos no cenário que ajudam o expectador a imergir na mente do protagonista enquanto ele lembra dos acontecimentos. A obra já circulou por cinco festivais, com destaque para a Mostra Universitária do Festival MAUAL, com alcance em toda América Latina.